• Renata M

4 em cada 10 gaúchos contraíram dívidas por conta da pandemia

Depois de quase um ano de medidas restritivas e isolamento social, por conta da pandemia de covid-19, a vida financeira dos gaúchos segue prejudicada pelas consequências econômicas que o coronavírus trouxe ao Estado. Conforme pesquisa realizada pelo Instituto de Estudos de Protesto do RS (IEPRO-RS), que ouviu 753 pessoas em todas as mesorregiões do Rio Grande do Sul, durante os dias 26 de novembro a 9 de dezembro, 37% dos gaúchos estão sendo afetados financeiramente pela crise causada pelo coronavírus. Desses, 23% dizem estar sendo “muito afetados” pela pandemia.




A consequência do impacto negativo no orçamento são as dívidas que atingem 4 em cada 10 gaúchos. Segundo a pesquisa, as contas em atraso de mais de um terço dos entrevistados têm valor total entre R$1.000 e R$2.000. O cartão de crédito lidera esse ranking: 24% dos gaúchos não conseguiram cumprir as suas obrigações. Na sequência, aparecem as dívidas com crediário e carnê de lojas (18%) e TV por assinatura, serviço de streaming e telefone (10%).


Para o presidente do IEPRO-RS, Romário Pazutti Mezzari, “o cartão de crédito deve ser prioridade no pagamento de dívidas, pois os juros são muito altos. Para isso, é importante analisar se há alternativas no mercado, como empréstimos que tenham juros mais baixos que o rotativo do cartão de crédito, e pagar a fatura total antes que vire uma bola de neve”. O presidente alerta, ainda, sobre a importância de negociar as dívidas. “Quem está nessa situação deve focar na organização financeira, cortando gastos e evitando novas compras parceladas, mas, acima de tudo, buscar uma renegociação com a empresa credora, aproveitando para negociar descontos ou melhores condições de pagamento”, conclui.



IMPACTO TRABALHADORES CLT X AUTÔNOMOS/INFORMAIS

24% dos gaúchos perderam o emprego durante a pandemia. Entre os entrevistados que continuaram empregados, 40% tiveram o salário reduzido durante os primeiros meses de pandemia. Desses, 32% continuam com o salário reduzido atualmente e 67% já estão recebendo a mesma remuneração do período anterior à pandemia.

Entre os empreendedores/autônomos/informais o impacto da crise é ainda mais alarmante: 70% viram sua renda cair após a pandemia. Para 36% a redução foi entre 11% e 30% e para 20% a diminuição foi entre 31% e 50%.


IMPORTÂNCIA DA RESERVA FINANCEIRA

A pandemia também trouxe aprendizados sobre a importância de se ter uma reserva de emergência para 24% dos entrevistados, que começaram a guardar dinheiro neste ano, como forma de se prepararem para possíveis adversidades que possam atravessar, por conta da instabilidade da economia neste período. Mas nem todos estão conseguindo economizar. Quase metade dos entrevistados não tem e ainda não começou a poupar dinheiro.

“A pandemia de coronavírus trouxe impactos negativos para muitos gaúchos. Quem não tinha uma reserva financeira e perdeu o emprego ou teve uma redução na renda enfrentou grandes dificuldades para arcar com as despesas mensais. Já quem tinha uma reserva de emergência pôde enfrentar os buracos no orçamento com mais tranquilidade”, ressaltou Mezzari.

Felizmente, 27% dos gaúchos já possuíam uma reserva financeira pré-pandemia.

Conforme o presidente, esse número é muito positivo para manter a organização financeira familiar. “Esperamos que esse número aumente ainda mais nos próximos anos e que as pessoas não esqueçam da relevância de se ter uma reserva depois que a sua situação financeira melhorar”, disse.


REDUÇÃO DE GASTOS

Para 54% dos gaúchos os gastos foram reduzidos, em comparação com o período anterior à pandemia. A alimentação e o lazer foram os segmentos mais impactados no corte de gastos: 15% estão indo menos (ou pararam de ir) a bares, restaurantes e cinemas e 9% pararam ou diminuíram pedidos de delivery (tele-entrega) de refeições.

As compras também sofreram impactos, principalmente de itens não essenciais: 14% pararam ou diminuíram as compras de itens supérfluos no supermercado e 14% pararam ou diminuiu as compras de roupas, sapatos, maquiagem, perfume, etc. Dos entrevistados, 11% responderam que pararam ou diminuíram as idas ao salão de beleza e barbearia e 10% pararam de viajar.



NÚMEROS COMPARADOS COM A PESQUISA ANTERIOR


Apesar dos números negativos ainda serem um sinal de alerta para a economia do Rio Grande do Sul, em comparação com a mesma pesquisa realizada no mês de agosto deste ano, vemos uma melhora, o que traz um otimismo para o próximo ano. "Esses resultados são reflexo da flexibilização das regras de isolamento social que impactaram no retorno da oferta e no aumento da demanda. Esperamos que o controle da doença traga mais segurança aos gaúchos para que a economia do Rio Grande do Sul volte a crescer", analisou Mezzari.



SOBRE A PESQUISA: O levantamento foi realizado presencialmente com 753 pessoas, em todas as mesorregiões do Rio Grande do Sul, durante os dias 26 de novembro a 09 de dezembro. Para comparativo, a pesquisa foi realizada nos mesmos moldes da anterior, realizada em agosto.




0 comentário

Fale conosco

O Instituto de Estudos de Protesto do Rio Grande do Sul (IEPRO-RS), associação sem fins lucrativos, tem como objetivo congregar os profissionais dos serviços notariais do Estado, promover debates e pesquisas de interesse profissional que visem aprimorar o sistema de protesto de títulos.

contato@protestors.com.br

51 3062.0745 

R. Comendador Caminha, 300  

CEP: 90430-030

Moinhos de Vento | Porto Alegre 

Rio Grande do Sul - Brasil